Rabino Daniel Tsion

Nascimento: Tessalônica, 1883.
Morte: Haifa, Israel, 1979.
Viveu e oficiou em Sófia, Bulgária, durante a Segunda Guerra Mundial.

Biografia por Joseph Shulam, seguida por notas autobiográficas.

Após a Guerra dos Balcãs, em 1912, muitos milhares de judeus imigraram para a Bulgária. Conforme a comunidade crescia, também crescia a necessidade por mais rabinos. Em 1918, uma mensagem foi enviada de Sófia para Tessalônica, o centro cultural judaico, solicitando que rabinos fossem enviados. Por isso, o chefe da yeshivá em Tessalônica enviou seu jovem filho, Daniel Shelomo Tsion, para servir a comunidade em Sófia, onde, mais tarde, seria eleito o grão rabino da Bulgária. A maior realização do rabino Daniel Tsion foi sua atividade durante os anos da guerra.

No início da década de 1930, o rabino Tsion foi convidado para visitar Dunnov, professor de um tipo místico de Cristianismo. Pode-se dizer que ele aprendeu quatro coisas com Dunnov: comer apenas alimentos vegetarianos, acordar bem cedo, começar o dia com orações contemplando o nascer do sol e fazer exercícios físicos diários. Dunnov também lhe apresentou Yeshua como sendo o Messias e o Salvador de Israel, ressaltando sempre o estilo de vida simples de seus primeiros discípulos.

De acordo com o rabino Tsion, a maior mudança em sua vida aconteceu quando Yeshua apareceu para ele, em uma visão, enquanto fazia suas orações e contemplava o nascer do sol.  Mas como ele não sabia o que a visão significava, perguntou a outros rabinos o que deveria fazer a respeito. Depois de ter tido a mesma visão pela terceira vez, ele virou-se para a figura e falou com ela. A figura cintilava diretamente do sol, e a impressão que Daniel Tsion teve era de que ela lhe respondera de volta, identificando-se como Yeshua.

O rabino sabia que precisava encontrar uma fonte de informação que o ajudasse a lidar com a visão e a compreender o seu significado. A essa altura, Daniel Tsion dirigiu-se ao patriarcado da Igreja Ortodoxa Grega, em Sófia, e fez amizade com o arquimandrita Stephen. Eles desenvolveram uma grande amizade e uma franca troca de ideias sobre diversos assuntos espirituais, incluindo Yeshua e a “igreja primitiva”. O patriarca, que era bem versado no relacionamento delicado entre judeus e cristãos, apenas encorajou o rabino a deixar de lado o Cristianismo e a concentrar-se no próprio Yeshua.

O rabino Tsion nunca se converteu ao “Cristianismo”. Ele tão somente passou a crer em Yeshua, permanecendo fiel ao estilo de vida observante da Torá. Seu sentimento para com Yeshua, o Messias, pode ser melhor exprimido em uma canção que Daniel Tsion escreveu acerca de sua fé:

Não, não eu; não, não eu; apenas tu és Yeshua em mim!

Apenas tu me trazes perante o Deus dos meus antepassados,

Apenas tu podes curar-me de toda enfermidade maligna,

Não, não eu; não, não eu; apenas tu és Yeshua em mim!

Apenas tu me ensinas a amar toda a criação,

Apenas tu me ensinas a amar até mesmo o inimigo,

Não, não eu; não, não eu; apenas tu és Yeshua em mim!

Dessarte, permanecerei em teu amor,

Para sempre estarei dentro da tua vontade,

Não, não eu; não, não eu; apenas tu és Yeshua em mim!

O rabino Tsion começou a reunir um grupo pequeno e bem seleto de judeus para estudar a Nova Aliança, em sua casa, todo Shabat à tarde. Dentre esses judeus, estavam alguns dos membros mais proeminentes da comunidade judaica em Sófia.

A fé de Daniel Tsion em Yeshua, o Messias, tornou-se um segredo amplamente difundido entre a comunidade judaica da Bulgária. No entanto, sua posição era tão honrosa e seus serviços, tão altamente estimados, que nenhum dos oficiais judeus em Sófia ousavam criticar o rabino abertamente. Ele continuou bem inserido na estrutura da comunidade judaica da Bulgária, e não parou de viver como um judeu ortodoxo em todo o rigor da observância da Torá, de modo que não havia embasamento para seus oponentes acusarem-no de heresia. Nos bastidores, porém, a liderança da comunidade judaica começou a isolá-lo lentamente.

Quando a Alemanha nazista ocupou a Bulgária, o rabino Tsion era o líder espiritual da comunidade judaica, o que acabou por torná-lo objeto de perseguição e zombaria. Tomaram-no à força e açoitaram-no, publicamente, em frente à Grande Sinagoga de Sófia. Durante aquele período, Daniel Tsion andava ereto perante os fascistas; sua única reação era clamar a Deus.

Em 1943, o governo local tomou a decisão, sob pressão dos alemães, de expulsar os judeus da Bulgária. No dia 23 de maio, o rabino Tsion reuniu todos os judeus na sinagoga central de Sófia, que é a segunda maior sinagoga de toda a Europa. Cada judeu na cidade veio à sinagoga e orou para que a decisão maligna fosse revertida. Daniel Tsion disse publicamente à toda a comunidade: “É melhor morrermos aqui do que na Polônia”.

Quando os judeus saíram da sinagoga, a polícia atacou a multidão com cassetetes, prendendo cerca de duzentos e cinquenta homens. O povo continuou marchando em direção ao Santo Sínodo e exigiu uma reunião com o metropolita Stephen, que era respeitado pela comunidade judaica devido à sua atitude amigável para com eles. Stephen prometeu aos judeus que ele se encontraria com o rei e com os ministros, na tentativa de influenciá-los a mudar sua atitude e cessar a perseguição contra a comunidade judaica.

Apesar de seus esforços, em 25 de maio de 1943, a expulsão dos judeus de Sófia começou. A Comissão Geral de Assuntos Judaicos [Commissariat General aux Questions Juives] levou de Sófia 10.153 judeus e 3.500 homens, colocando-os em campos de trabalho forçado em cidades provinciais. Restaram apenas 2.300 judeus em Sófia. A Igreja Ortodoxa Búlgara continuou intercedendo pela comunidade judaica junto ao rei e aos ministros. A Igreja foi uma das maiores pedras de tropeço na empreitada do governo búlgaro de enviar os judeus para Auschwitz.

Levanta-se, então, a pergunta: Por que a Igreja Ortodoxa da Bulgária era tão amigável com os judeus? O verdadeiro motivo jaz no relacionamento especial que o metropolita Stephen e o rabino Daniel Tsion nutriam um para com o outro.

Quando se falou em deportar a comunidade judaica para a Alemanha, o rabino Tsion e seu secretário, A. A. Anski, escreveram uma carta ao rei da Bulgária. Nela, Daniel Tsion implorou, em nome de Yeshua, que o rei não permitisse que os judeus fossem expulsos do país. Ele também contou que vira Yeshua, em uma visão, dizendo-lhe para advertir o rei quanto a entregar os judeus para os nazistas. Depois de uma longa provação, esperando horas à porta do palácio real, em Sófia, o rabino e seu secretário conseguiram entregar a carta ao secretário do rei. No dia seguinte, o rei iria à Alemanha para uma reunião com o governo nazista e com o próprio Hitler. O rei Boris manteve-se firme e não se rendeu à pressão nazista para entregar os judeus da Bulgária à morte certa nos campos de concentração da Polônia e da Alemanha.

No dia 9 de setembro de 1944, o governo fascista da Bulgária caiu, bem como o comunista, sob o padronado da Rússia. Daniel Tsion continuou sendo o líder e o grão-rabino da Bulgária até 1949, quando, acompanhado de grande parte da comunidade judaica búlgara, imigrou para Israel.

Na Terra Santa, ele foi imediatamente aceito como o rabino dos judeus búlgaros. Em 1954, quando o rabino Shemuel Toledano se tornou grão-rabino de Israel, ele convidou Daniel Tsion para ser juiz na corte rabínica de Jerusalém. Quando rumores de que o rabino Tsion era um crente em Yeshua começaram a circular, Toledano convidou-o a seu escritório para perguntar-lhe, pessoalmente, sobre esses boatos. Daniel Tsion explicou a sua posição, dizendo que reconhecia Yeshua como o Messias judeu, mas que não aceitava o Cristianismo como a verdadeira expressão do ensino e da pessoa de Yeshua. Ora, o rabino Toledano disse que ele poderia viver com essa posição — desde que a guardasse para si. Quando Daniel Tsion argumentou que uma mensagem tão importante assim não poderia ser mantida em segredo, Toledano viu-se forçado a levar o rabino Tsion perante a corte rabínica, deixando a cargo dos outros rabinos o que deveria ser feito.

Na corte, evidências da fé de Daniel Tsion em Yeshua, o Messias, foram apresentadas na forma de quatro livros que ele escrevera, em búlgaro, sobre Yeshua. O direito de resposta foi-lhe dado. Eis as palavras que o rabino Tsion proferiu em sua própria defesa:

“Sou pobre e debilitado, perseguido e vulnerável; Yeshua conquistou-me e honrou-me com um Novo Homem. Com seu grande amor, libertou-me do meu eu afligido com pobreza; ele me estima”.

“Todos os dias, o mal sagaz deseja roubar a minha fé; eu me apego ao meu encorajador e expulso Satán. Apresento-me aqui sozinho em minha fé; o mundo todo está contra mim. Estou disposto a abrir mão de toda honra e toda glória que os homens possam oferecer-me, por amor ao Messias, meu companheiro”.

Muito embora a corte tenha removido o título rabínico de Daniel Tsion, os judeus búlgaros continuaram a honrá-lo como seu rabino. Um judeu russo, crente em Yeshua — que foi um dos primeiros colonos sionistas em Rishon LeZion —, deu ao rabino Tsion um prédio na Rua Yeffet, no coração de Jafa, para que se tornasse uma sinagoga. Ali, Daniel Tsion oficiou até o dia 6 de outubro de 1973. Naquela sinagoga, o rabino Tsion não falava abertamente sobre Yeshua com muita frequência, mas contava, em diversas ocasiões, histórias e parábolas extraídas da Nova Aliança. Todavia, em cada Shabat, após o serviço sinagogal, ele trazia para casa um grupo de membros da sinagoga a fim de ensiná-los sobre Yeshua e a Nova Aliança, durante a tarde inteira, até que chegasse a hora de voltar à sinagoga para as orações da noite.

O rabino Tsion escreveu centenas de canções sobre Yeshua, o Shabat e a boa vida. Ele também escreveu livros sobre vegetarianismo, alimentação saudável e estilo de vida natural. Yeshua era seu salvador e amigo, e até o fim de sua vida, Daniel Tsion viveu à altura do poema que escreveu baseado no acróstico de seu nome (דניאל ציון), chamado “Servo de Deus”:

A Palavra (דבר; devar) de Deus é meu caminho,

A Lâmpada (נר; ner) de Deus é minha guia,

O Temor (יראת; yir’at) de Deus é o princípio da Sabedoria,

O Amor (אהבת; ’ahavat) de Deus é minha Vida,

Fazer (לעשות; la‘assot) a vontade de Deus é minha aspiração,

Justiça (צדק; tsedek) e Retidão são meus objetivos,

Seus Sofrimentos (ייסורים; yisurim) são minha expiação,

Ora, Ele protejerá (ויגן; veyaguen) todos os teus caminhos;

O Eterno (נצח; netsach) de Israel é meu conforto.

Em 1979, aos 96 anos, o rabino Tsion partiu para o Mundo Vindouro. A comunidade judaica búlgara de Israel concedeu-lhe pleno status e honra militares. Seu esquife ficou no centro de Jafa sob guarda militar, e ao meio-dia, foi carregado por homens, a pé, até o cemitério de Holon. Ele foi enterrado como o grão-rabino dos judeus búlgaros que os salvou do Holocausto Nazista. Ele era 100% judeu e 100% discípulo de Yeshua, o Messias.

DISCURSOS E ESCRITOS PESSOAIS


TESTEMUNHO NA RÁDIO ISRAELENSE “KOL YISRAEL” (14 de setembro de 1952)

O rabino Tsion teve a oportunidade de contar sua experiência no “Kol Yisrael” (Voz de Israel), a estação de rádio oficial na Terra Santa. Algo assim nunca fora permitido antes. A seguir, encontra-se parte da transcrição de seu discurso:

“Há mais de vinte anos, tive a oportunidade de ler a Nova Aliança pela primeira vez. Ela me influenciou grandemente. Comecei a falar sobre ela em um pequeno grupo na Bulgária. Eu sempre lamentei o fato de que Yeshua, o Messias, foi alienado da comunidade de Israel. Ele não fez nada além do bem para o povo judeu: chamou-os ao arrependimento, proclamou o Reino de Deus e o Amor Divino, um amor para com todos os homens, até mesmo para com os inimigos. Para a nossa grande lástima, tivemos que pagar um alto preço pelo pecado de rejeitar o verdadeiro Messias. Mas eu preciso confessar: minha posição de rabino não permitiu que eu saísse ao mundo, aberta e prontamente, para declarar essa verdade — até que Deus, em Sua grande misericórdia, libertou-me de todo medo. Ele trouxe-me a essa Terra de Israel, onde, a princípio, revoguei minhas atribuições como um rabino de Jaffa”.

“Depois que abri mão da minha posição (como grão-rabino de Jafa), fui a Jerusalém, onde, por um mês inteiro, dediquei-me a jejuns, orações e súplicas. Foi então que eu pedi a Deus que me mostrasse o caminho certo; e o Todo Poderoso ouviu minha oração. No primeiro dia de Shevat, 5710 (janeiro/fevereiro de 1950), o Espírito Santo revelou-me que Yeshua de fato é o Messias, o qual sofreu por nós e sacrificou-se pelos nossos pecados. Um fogo ardente em meu coração não me deu descanso até que eu confessei, publicamente, a minha fé no sangue expiatório do Senhor Yeshua, o único e verdadeiro Messias de Israel”.

“Apesar de todas as dificuldades, perseguições e sofrimentos pelos quais passei, incessantemente, nada poderia dissuadir-me de minha fé. Muito pelo contrário! Deus, a quem eu dera meu coração e para quem eu recorro em todas as minhas necessidades, tem-me dado a força e o poder para continuar o meu testemunho. Ele falou comigo através de um verso do Tanach (Isaías 41:10): “Não temas, porque Eu estou contigo; não te amedrontes, pois sou teu Deus. Hei de fortalecer-te, te ajudar e te sustentar com Minha destra vitoriosa”. “Por isso, entendo que uma grande e importante tarefa me foi confiada pelo Deus Eterno, a qual preciso cumprir a qualquer custo. Não pensem que eu deixei o Judaísmo. Longe de mim! Sempre serei judeu, e a verdade é que tenho me tornado cada vez mais judeu, pois o próprio Yeshua permaneceu judeu”.

UMA MENSAGEM PARA OS RABINOS

A seguir, encontra-se um trecho de uma mensagem que o rabino Tsion deu aos seus colegas, os rabinos de Israel, perante quem ele foi julgado:

“Eu sei que, de acordo com o seu conhecimento e ideias, passei a seguir um caminho errado quando aceitei Yeshua como Messias e Redentor. Diante do banco de testemunhas do Céu, eu disse-lhes que orei ao Eterno, com lágrimas e jejuns, por muitos anos, para que Ele me guiasse no caminho da retidão, a fim de que eu realizasse apenas a Sua vontade, e não a minha. Contei-lhes sobre a forma maravilhosa como Yeshua revelou-se a mim — não uma, mas muitas vezes. Vocês contestaram, alegando que era tudo imaginação e ilusão. Perdoem-me, por favor, quando eu digo que são os senhores que estão imaginando, e que as coisas reais e verdadeiras parecem-lhes ilusões”.

“Eu sei que a educação limitada e os altos cargos dos rabinos são um véu, ocultando-lhes a verdade. Vocês não conseguem mais julgar de maneira objetiva. Eu também sofri com isso, mas Deus, em Sua graça, pelo Espírito Santo, mostrou-me a reta vereda, apesar dos meus pecados. Tenho sido guiado por Ele há anos, e Ele conduz-me pelo caminho da retidão. Portanto, digo-lhes: mesmo se eu fosse o único a crer em Yeshua como o Messias, eu não consideraria isso como imaginação. Ora, vejo que milhões de homens o reconhecem, dentre os quais milhares de judeus altamente instruídos. Até mesmo alguns rabinos creem em Yeshua como o Messias. Será que eles também são vítimas do engano e da imaginação?”.

“Se vocês, rabinos, orassem a Deus com todo o coração, e lessem atentamente a Nova Aliança, dando a esse livro e ao Messias Yeshua o devido respeito, estou certo de que o Eterno lhes abriria os olhos. Yeshua não fez nada além do bem; ele conclamou Israel ao arrependimento e ao Reino de Deus. Fez muitos sinais e maravilhas, como nenhum profeta antes dele. Quis unir as pessoas, a fim de que amássemos uns aos outros, bem como nossos inimigos. Ele desejou criar uma ponte entre Israel e as nações, pois deve haver paz entre eles, e as profecias de Isaías e de todos os profetas precisam se cumprir, para que o Eterno seja Rei sobre toda a terra”.

“A verdade precisa ser dita: nossos antepassados cometeram um grave pecado quando condenaram à morte aquele que não tinha pecado. Nossos antepassados pecaram e pereceram. Nós sofremos por seu crime. Por acaso queremos continuar sofrendo? Precisamos fazer restituição pelo erro. Precisamos receber Yeshua como um judeu e como o Messias do Eterno. Ele viveu entre os judeus e sacrificou-se pelos judeus, a fim de expiar, com o próprio sangue, os seus pecados. Ele ressuscitou e voltará para redimir-nos com perfeita redenção”.

“Como mensageiro de Deus, eu precisava adverti-los. Primeiro, vem a advertência; depois, o castigo segue. Assim, vocês saberão que o Eterno me enviou, e que não falo por mim mesmo. Os dias de visitação chegaram — os dias da retribuição! Se vocês receberem Yeshua como o verdadeiro Messias, seremos redimidos, pela segunda vez, com perfeita redenção. Se não, muito sofrimento virá sobre o povo de Israel. E a vocês, rabinos, seja dito: ‘Menê, Menê, Tekêl Ufarsin!’” (Daniel 5:25).1


Notas

1. O texto original inglês pode ser encontrado em http://realmessiah.org/index.php/en/testimonies.

Leave a Reply

Your email address will not be published.